5 pessoas infelizes da Bíblia que você não gostaria de conhecer

Pessoas infelizes invejosas na Bíblia

Pessoas infelizes podem ser encontradas por toda parte. Os motivos para a infelicidade são os mais variados [e até curiosos] possíveis.

A começar por dentro de casa, passando pela vizinhança, pelos locais de trabalho, escolas, faculdades e também nas igrejas, porque não?

É importante deixar claro que a infelicidade faz parte da vida, já que sofremos em tantas situações. Mas abordaremos a infelicidade de personagens bíblicos pela alegria alheia.

Não é difícil encontrar alguém que transborde a infelicidade de um projeto de vida mal sucedido e, como se não bastasse, que deseja o mal dos outros.

Afinal, já que eu não posso ser ou ter, ninguém mais pode! Já ouviu esta frase? Por certo sim, e ela está carregada de frustração, ciúmes, inveja, rancor e tantos outros sentimentos ruins e negativos.

5 pessoas infelizes da Bíblia

Pois saiba que na Bíblia também encontramos pessoas infelizes e confusas que, sem nenhum motivo aparente buscavam o mal das pessoas ao redor.

1. Os infelizes irmãos de José

Começamos não necessariamente com uma pessoa, mas com um grupo de pessoas infelizes por conta do sentimento de inveja.

No primeiro livro da Bíblia, Gênesis, encontramos no capítulo 37 a história da trama dos irmãos de José, motivados pela inveja.

Seu pai, Jacó (Israel), o amava de forma especial, pois José era fruto de sua velhice. Mesmo sem culpa por isso, José foi perseguido, também pelos sonhos proféticos que sonhava.

24. “E tomaram-no e lançaram-no na cova; porém a cova estava vazia, não havia água nela”.

Após ter sido encontrado por midianitas que passavam, José foi vendido e chegou ao cargo de governador daquela nação.

2. Penina, infeliz provocadora

I Samuel 1 traz a história de Ana, sua mãe, que antes de gerá-lo passou por momentos de amargura e maus bocados na mão de Penina.

A Bíblia diz que ela era como uma competidora, que fazia as coisas propositalmente para deixar Ana “pra baixo”, já que ela era estéril.

6. “E sua competidora excessivamente a irritava para a embravecer, porquanto o Senhor lhe tinha cerrado a madre”.

Talvez, para alguém, esta provocação pode ser considerada corriqueira, mas que motivo para implicar, hein?

3. O infeliz Acabe com a infeliz Jezabel

No reinado de Acabe, em Israel, foi feita uma proposta de troca com Nabote, uma pessoa simples que possuía uma vinha, herdada de seus pais.

Como Nabote não aceitou a proposta, justamente por valorizar aquilo que herdara dos pais, foi perseguido até a morte por Nabote, com ajuda de Jezabel, sua esposa.

“E sucedeu que, ouvindo Acabe que já Nabote era morto, Acabe se levantou, para descer para a vinha de Nabote, o jezreelita, para a possuir”.

4. Hamã, uma pessoa rica e infeliz

Ele viveu no período aproximado de 473 a.C e fazia parte do reinado de Assuero. Em virtude de sua aproximação com o rei, desejava influenciá-lo em decretos de morte dos judeus.

Hamã ressalta a glória de suas próprias riquezas, a multidão de seus filhos e como havia galgado posições no reinado.

No capítulo 5 do livro de Ester, mesmo após ter ficado lisonjeado com o convite para um banquete com Assuero e Ester, ele expressou o seguinte:

13. “Porém tudo isso não me satisfaz, enquanto vir Mardoqueu assentado à porta do rei”.

Num diálogo com sua mulher, Zeres, ele recebe a sugestão de preparar uma forca para matar Mardoqueu, simplesmente por ser judeu, e estar presente no reino.

5. O irmão do Filho Pródigo: pessoa infeliz e egoísta

Este não teve nome mencionado e os escritos de Lucas 15 não se referem à fatos, mas às parábolas contada por Jesus aos que lhe ouviam (publicanos, pecadores, fariseus e escribas).

Porém, não deixamos de aprender lições valiosas com estas parábolas, sobretudo com a do Filho Pródigo, que é rica em ensinamentos.

Na parábola, o mais jovem dos irmãos pede ao pai a parte que lhe cabia da herança e parte pra bem longe. Após decepções, decide voltar pra casa, e é aqui que entra o egoísmo do irmão mais velho.

Ao ver a festa e alegria com que o pai recebeu o seu irmão, ele se indignou muito, a ponto de não considerar o jovem como irmão. O pai insistiu com ele:

31. “E ele lhe disse: Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas coisas são tuas”.

A parábola encerra de forma que não sabemos se o egoísmo e a infelicidade deste irmão foram vencidos.

Geralmente as pessoas que são infelizes pela felicidade alheia querem: ser o que o outro é, ter o que o outro tem, ou fazer o que o outro faz. Por não conseguir, vive infeliz.

 

O que achou do artigo?